Comemorações do Centenário da República na Maia

Simulação da Proclamação Simulação da ProclamaçãoO dia 5 de Outubro de 1910 foi uma data com um grande significado na História de Portugal e a Assembleia Municipal, associando-se às actividades comemorativas do centenário realizadas pelo Município, de forma simples, mas cheia de simbolismo celebrou.
Pelas 9 horas desse dia, na varanda dos Paços do Concelho de Lisboa, José Relvas, um dos dirigentes mais antigos do Partido Republicano, proclamou a República.
 
Terminavam deste modo 770 anos de um sistema de governo – a Monarquia – que havia construído esta nação e que a havia expandido até aos quatro cantos do Mundo.
Muita coisa mudou então. Não apenas o hino, não apenas a bandeira, não apenas a moeda, que foram, na prática, mudanças simbólicas, sim, mas superficiais. Mudaram prioridades, mudaram valores, mudaram mentalidades.
Infelizmente nem sempre as mudanças foram para melhor. Mas isso acontece sempre durante estes processos.

Quem faz as revoluções sempre procura o melhor para o seu povo. Muitas vezes aquilo que se pensa ser o melhor não o é de facto e por isso algumas mudanças ou não são eficazes ou não são sequer aceites.
Na Maia o dia foi comemorado com as seguintes actividades:
Na Praça do Doutor José Vieira de Carvalho assistiu-se a uma encenação da proclamação da República à varanda da Câmara Municipal, seguida de uma breve elucidação sobre o Hino Nacional e a Bandeira Nacional.
Hastear da Bandeira Nacional, com a interpretação do Hino Nacional pelo Grupo Coral – Pequenos Cantores da Maia.
No Salão Nobre do Edifício dos Paços do Concelho uma Sessão Solene que teve como ponto alto uma intervenção com o tema “da Monarquia à República: Ideias, Acção Político-partidária e Propaganda” proferida pelo Professor Eduardo Gonçalves 
(inserir uma breve nota da intervenção de maia marques e Prof. Eduardo Gonçalves)
Seguiu-se a inauguração de uma Exposição sobre o Centenário da República no Fórum da Maia.
Estas foram as actividades que, no momento actual, o Município da Maia considerou poder evocar da forma mais digna o centenário e que estão contidas no discurso do senhor Presidente da Assembleia Municipal, Luciano da Silva Gomes, proferidas na Sessão Solene:


“O que me i Sessão Solenemporta salientar aqui e agora é que o Município da Maia, e como é evidente a Assembleia Municipal, não poderiam deixar de assinalar este Centenário da Implantação da República.
Haveria vários figurinos para o fazer. Optou-se por este. Como todas as opções, é do agrado de uns e não será de outros. É um risco que resolvemos correr.
É que para assinalar um centenário como este, mais do que intervenções politico-partidárias que para alguns, de forma oportunista, as utilizam como arma de arremesso e não como a evocação de um facto ou de uma data, nós entendemos que é importante um balanço e uma reflexão. E isso tem de ser dito por quem sabe.
Eis o porquê deste figurino, eis o porquê do convite ao Prof. Doutor Eduardo Gonçalves, que de imediato o aceitou, e a quem endereço uma saudação especial e um agradecimento sincero.
Ele fornecer-nos-á certamente a informação e as ferramentas para o tal balanço que, neste momento, é bem mais importante do que quaisquer intervenções avulsas.
Quanto à Maia, à nossa Maia, também aconteceu República. Não terá sido exactamente a 5 de Outubro, mas provavelmente a 6, como em muitas outras partes do País.
E não se limitou à substituição do executivo do Padre Luís de Campos pelo do Dr. Farinhote.
Também aqui se fizeram sentir em breve ventos republicanos, bons e menos bons, como em todo o Portugal.”.