Serviço à Comunidade

Causa da CriançaA Assembleia Municipal, através do seu Presidente e de deliberação tomada em reunião de líderes, decidiu levar a efeito uma iniciativa que designou de “Serviço à Comunidade”.
 
 
 
 
 

Tal iniciativa teve dois objectivos precisos: 
1 - Conhecer melhor as instituições do concelho que, de forma altruísta, prestam serviços à comunidade maiata, tentando perceber em que é que se concretizam tais serviços e quais os seus destinatários; e
2 - Levar ao conhecimento de todos os deputados da Assembleia Municipal, as conclusões que tal iniciativa permitiu tirar, contribuindo assim para que todos possam compreender, de forma mais concreta, a realidade de tais instituições ao nível local.

A iniciativa concretizou-se com a realização de visitas a várias instituições do concelho da Maia, sendo certo que na impossibilidade de as visitar todas, houve que escolher algumas que, dedicando-se a diferentes actividades locais, podem considerar-se como representativas das muitas outras que existem na Maia e que de forma similar se esforçam em ajudar quem mais precisa.

As instituições visitadas foram:
1. Associação Portuguesa de Pais e Amigos dos Deficientes Mentais - APPACDM
2. Centro Social das Guardeiras,
3. A Causa da Criança – Associação de Protecção à Infância e Juventude,
4. Santa Casa da Misericórdia Maia,
5. Rotary Club da Maia,
6. Fundação Lar Evangélico Português,
7. Missionários do Sofrimento,
8. A.S.S. "O Amanhã da Criança",
9. Lions Club da Maia .

Missionários do SofrimentoA iniciativa da Assembleia Municipal permitiu constatar, in loco, que a actividade desenvolvida pelas instituições assenta em elevado espírito de solidariedade e de voluntariado. Notável foi ainda verificar que as várias instituições interagem entre si, criam sinergias de colaboração recíproca sempre que para ajudar alguém é necessário reunir esforços.
Sentiu-se, nas visitas efectuadas e nos elementos transmitidos que, na Maia, o serviço à comunidade é uma realidade e existe desde a primeira infância até à terceira idade, com prestação de serviços tecnicamente direccionados para as diferentes necessidades dos utentes, diferença essa não apenas baseada na fase da vida em que estes se encontram, mas também nas carências especificas de cada um, muitas vezes justificadas por problemas de saúde. Nas instituições visitadas, sentiu-se que a consciência das necessidades da comunidade como um todo não prejudica o apoio individual direccionado a cada um como um ser único.
Ficou a certeza que todos os fundos estatais e da autarquia que puderem ser disponibilizados para estas e outras instituições do género existentes no concelho da Maia, serão sempre uma mais valia para os utentes a quem são prestados os respectivos serviços, não devendo assim a Câmara Municipal da Maia poupar esforços para ajudar, na medida do que lhe for possível, tais instituições que prestam um louvável serviço à comunidade.