Evocação do Dia 25 de Abril de 1974

25 AbrilO dia 25 de Abril de 1974 é uma data que jamais poderá de deixar de ficar gravada, de forma profunda, na memória dos portugueses que viveram antes dessa data, muitos dos quais com dor, perseguição, sofrimento e outros, com o sacrifício da própria vida. Para os jovens é uma data que pouco diz, pois  sempre viveram a liberdade, a democracia e jamais enfrentaram uma ditadura, uma guerra colonial e o obscurantismo. Por esta razão, os jovens devem saber recordar o dia que restituiu a liberdade aos portugueses, que  abriu caminho ao desenvolvimento, à construção de uma sociedade mais justa e solidária e que abriu  o Portugal isolado ao Mundo e o tornou  parceiro da União Europeia.
 No dia do seu 33.º aniversário, a Assembleia Municipal da Maia, evocou esta data, com uma cerimónia simples, mas cheia de significado.

Apesar da chuva que ameaçou nas primeiras horas do dia, muitos maiatos quiseram associar-se com a sua presença.
A cerimónia evocativa foi iniciada com o hastear das Bandeiras Nacional e do Município, a que se seguiu uma Sessão Solene na Salão Nobre dos Paços do Concelho, com os discursos do senhor Presidente da Câmara, do Deputado Independente Floriano Gonçalves, dos Líderes das diversas forças políticas com assento parlamentar e do senhor Presidente da Assembleia Municipal.

25 AbrilO Presidente da Câmara e o Deputado Independente Floriano Pinho Gonçalves deram particular referência aos mais jovens; Adélio Grazina, da CDU, deu particular realce à luta do PCP antes do 25 de Abril, às conquistas que Abril trouxe, muito especialmente para as mulheres e à esperança de melhores dias para os desfavorecidos; Silvestre Pereira, do Bloco de Esquerda, falou da necessidade do governo atender mais aos problemas sociais; Luís Rothes, do Partido Socialista, depois de ter citado um poema de Sophia de Melo Breyner Andersen, centrou o seu discurso num desafio ao executivo e a todas as forças políticas e cívicas para a discussão de dez recomendações para o desenvolvimento da cidadania e democracia no nosso concelho; António Fernando Oliveira e Silva, da Coligação Primeiro as Pessoas, falou das acções desenvolvidas pela Assembleia Municipal – Revista Sentir a Maia, Sessões e Visitas Temáticas, Reuniões da Assembleia descentralizadas, carecendo ainda o Sítio na Internet da Assembleia Municipal; Luciano Gomes falou do muito que ainda resta para cumprir Abril.

A sessão solene foi encerrada com o toque do Hino Nacional.



Ver mais fotos